Skip to content

As d’Or 2015

2015/02/26
tags:
by

Foram hoje anunciados os vencedores do prémio dos melhores jogos em França – As d’Or.

Eis uma imagem bem ilusidativa:

O vencedor do As d’Or foi Colt Express, La Chasse aux Gigamons venceu na categoria de melhor jogo infantil, Five Tribes foi o vencedor da categoria de Grand Prix enquanto o jogo Loony Quest arrecadou o prémio do Júri.

Para o ano há mais!

Luxus – kit para Orléans

2015/02/25

Orléans é um jogo da DLP Games considerado por muitos como um dos melhores Eurogame da última feira de Essen.

A editora informou, através do seu site, que irá colocar no mercado um kit para melhorar o jogo base com o nome de Luxus.

Image DLP Games

Este novo kit trará materiais para 5 jogadores, novos edifícios, miniaturas em madeira e discos de personagem mais resistentes.

A editora adianta ainda que se encontra a testar novos mapas e uma versão solitária para o jogo.

A data de lançamento deste kit é que ainda não foi divulgada.

Golden Geek Awards 2014

2015/02/24

Foram revelados os vencedores dos Golden Geek Awards 2014. As escolhas dos utilizadores do BGG ficaram assim ordenadas:

Jogo do ano
Vencedor – Splendor
2 – Dead of Winter: A Crossroads Game
3 – Five Tribes

2 Jogadores
Vencedor - Star Realms
Runner Up – Imperial Settlers
Runner Up – Marvel Dice Masters: Avengers vs. X-Men

Abstrato
Vencedor - Patchwork
2 – Medina (second edition)
3 – Lagoon: Land of Druids

Ilustração e Apresentação
Winner – Abyss
2 – Ticket to Ride: 10th Anniversary
3 – Dead of Winter: A Crossroads Game

Cartas
Vencedor - Star Realms
2 – Imperial Settlers
3 – Sheriff of Nottingham

Infantil
Vencedor - Tales & Games: The Hare & the Tortoise
2 – Doodle Quest
3 – Ivor the Engine

Expansão

Vencedor - 7 Wonders: Babel
2 – Terra Mystica: Fire & Ice
3 – Tuscany: Expand the World of Viticulture

Familiar
Vencedor - Splendor
2 – King of New York
3 – Ticket to Ride: 10th Anniversary

Inovador
Vencedor - Dead of Winter: A Crossroads Game
2 – Alchemists
3 – Five Tribes

Party Game
Vencedor - Ca$h ‘n Guns (second edition)
2 – One Night Ultimate Werewolf
3 – Sheriff of Nottingham

Print & Play
Vencedor - …and then we held hands…
2 – Elevenses for One
3 – 1066, Tears To Many Mothers

Solitário
Vencedor - Imperial Settlers
2 – Legendary Encounters: An Alien Deck Building Game
3 – Pandemic: The Cure

Estratégia
Vencedor - Five Tribes
2 – Imperial Settlers
3 – Castles of Mad King Ludwig

Temático
Vencedor - Dead of Winter: A Crossroads Game
2 – Star Wars: Imperial Assault
3 – King of New York

Guerra
Vencedor - Fire in the Lake
2 – The Battle of Five Armies
3 – 1944: Race to the Rhine

MammuZ

2015/02/21

Sint-MMZ

Sinopse:

O objetivo do jogo é ficar sem cartas na mão. Essa tarefa pode ser concretizada de duas formas: através da batota ou
descartando conjuntos de espécies de animais iguais.

Como se joga:

Em função do número de jogadores removem-se alguns animais do jogo (ver tabela em baixo).

TabelaMMZ

 

Colocam-se as cartas de referência de cada espécie no centro da mesa (8 animais) com a face visível. Baralham-se as seis cartas de dinossauro e escolhem-se tantas quantas as indicadas para o número de jogadores (cf. tabela), retiram-se as que sobrarem do jogo e baralham-se finalmente as cartas de animais com as cartas de dinossauro escolhidas.

refcardMMZ

Distribuem-se as cartas pelos jogadores de forma a que todos fiquem com a mesma quantidade.

Escolhe-se o jogador inicial. Este coloca à sua frente 1 a 4 cartas de uma espécie de animal que anuncia a todos os jogadores em voz alta (não necessita de ser verdade! A batota é permitida) com a face oculta, esse é o seu primeiro novo set que irá dar início ao seu estábulo.

Image Abacusspiele

Antes de explicar o que cada jogador faz no seu turno é importante diferenciar a noção de estábulo e de novo set.

O estábulo vai sendo construído ao longo do jogo, enquanto o novo set representa sempre o último conjunto de cartas que o jogador adicionou ao estábulo.

EvsNSMMZ

Para distinguir estábulo do novo set jogado, as cartas de estábulo devem estar por cima e o novo set por baixo deste.

Sempre que um jogador decide jogar um novo set, coloca primeiro o novo set “antigo” por cima do seu estábulo abrindo espaço para o novo set que pretende jogar.

Quando chega o turno de um jogoador este passa a ser denominado de jogador ativo. Este poderá executar uma das seguintes ações:

  • jogar um novo set;
  • acusar o adversário anterior.

Se o jogador ativo jogar um novo set, supõe-se que acredita no jogador anterior, e poderá colocar mais 1 a 4 cartas das sua mão à sua frente, anunciando em voz alta o nome desse animal e o número de cartas que está a adicionar, por exemplo: 4 cartas de esquilo.

Se o jogador ativo decidir desconfiar do jogador anterior, escolhe uma carta do novo set desse jogador e revela-a a todos. Podem acontecer 3 cenários:

  • O jogador ativo acusa injustamente

Se a carta de animal corresponder ao animal anunciado pelo jogador de quem se desconfia, o jogador ativo fica com todas as cartas do estábulo para si e o jogador seguinte (à esquerda do jogador ativo) pode começar uma nova ronda iniciando um novo set.

  • O jogador ativo acusa corretamente

Se a carta de animal não corresponder ao animal anunciado pelo jogador de quem se desconfia, este terá de recolher todas as cartas do seu estábulo para a sua mão. Neste caso o jogador ativo começa uma nova ronda jogando um novo set.

  • O jogador ativo revela uma carta de dinossauro

dinosMMZ

Se a carta revelada for um dinossauro, o jogador ativo executa a ação específica desse dinossauro:

Brontossaurus – o jogador anterior (o jogador sentado à direita do jogador ativo) tem de apanhar todas as cartas do seu estábulo para a sua mão.

Pterosauros – o jogador ativo tem de apanhar todas as cartas desse estábulo para a sua mão.

Tricerotops – o jogador ativo escolhe um jogador que terá de apanhar todas as cartas desse estábulo para a sua mão.

Stegosaurus – o jogador ativo baralha todas as cartas do estábulo de onde revelou o dinossauro e distribui-as por todos os jogadores (uma a uma) começando pelo jogador à sua esquerda. Todos os jogadores que tenham recebido carta(s) apanham-na(s) para a sua mão.

Plesiosaurus – todos os jogadores, sem verem as cartas dos seus estábulos, juntam-nas num único baralho comum de face oculta, no centro da mesa (perto das cartas de referência). O jogador ativo continua o seu turno dando início a novo set. Nos turnos seguintes, sempre que alguém tiver de apanhar cartas, terá de adicionar a essas todo o baralho do centro da mesa.

Tyrannosaurus rex – todo o estábulo de onde se revelou este dinossauro é removido do jogo. As cartas removidas são colocadas nas respetivas cartas de referência que se encontram no centro da mesa. A partir de agora a extinção de um animal pode ser menor que a inscrita na carta em virtude das cartas já removidas. Por exemplo, se alguém pelo efeito da carta do Tyrannosaurus rex remover um mamute, a extinção desta espécie acontece se alguém tiver a outra carta de mamute na sua mão, pois só há 2 mamutes em jogo. Quem tiver essa carta deve descartá-la imediatamente e virar a carta de referência mais as duas cartas de mamute para a face oculta demonstrando assim que essa espécie está extinta.

Depois de executar a ação do dinossauro, o jogador ativo recolhe para si a carta desse dinossauro e pode jogar um novo set.

A extinção

Quando um jogador consegue juntar a totalidade dos animais de uma espécie na sua mão (ver caso especial de Tyrannosaurus rex ), anuncia-o a todos os jogadores e coloca imediatamente essas cartas na respetiva carta de referência desse animal, que se encontra no centro da mesa, virando de seguida o monte para a sua face oculta. Esse animal é declarado extinto.

Fim do jogo

O quando alguém joga a sua última carta o jogador seguinte tem de o acusar. Há três situações que podem ocorrer:

  1. Se a carta revelada corresponder ao animal anunciado, o jogador acusado ganha imediatamente.
  2. Se a carta revelada não corresponder ao animal anunciado, o jogador acusado tem de recolher todas as cartas do seu estábulo para a mão e o jogo continua.
  3. Se a carta revelada for um dinossauro, o jogador ativo executa a ação do respetivo dinossauro. O jogador acusado ganha imediatamente se depois da ação executada continuar sem cartas na mão.

O jogo também termina quando um jogador descarta todas as cartas de uma espécie (provocando a sua extinção) e fica sem cartas na mão após essa ação.

Avaliação:

Mammuz é um jogo de cartas muito direcionado a crianças mas que pode facilmente ser jogado por adultos. As ilustrações das cartas são muito voltadas para o público infantil, são muito coloridas e com um aspeto de desenho animado a fazer lembrar a idade do gelo.

A jogabilidade é muito boa e a experiência de jogo é sobretudo divertida e familiar. Há alguma tática associada ao jogo mas na verdade este não foi criado para ser levado muito a sério em termos estratégicos, é sobretudo um jogo para passar tempo e divertir, e esse objetivo é alcançado perfeitamente!

Um jogo barato com regras linear, fluido e descomplicado. Várias partidas seguidas e com um carisma muito dado a campeonatos em família! Boa surpresa.

Ligações:

Site da Abacusspiele AQUI

Ficha BGG → AQUI

Regras em inglês AQUI

Vídeo (open the box)  AQUI

Comprar:

Buecher AQUI

Philibert  AQUI

Village Port

2015/02/18

VPort_sint

Sinopse:

Village Port é a segunda expansão do jogo Village e adiciona ao jogo tradicional a possibilidade de os jogadores viajarem por mar até diferentes ilhas onde poderão ganhar pontos, obter produtos locais que posteriormente poderão ser vendidos no mercado, os jogadores poderão ainda transportar recursos no seu barco e com eles obter pontos de vitória.

Como se joga:

A montagem de jogo varia em função do número de jogadores e das expansões em jogo, mas basicamente as regras do jogo base são as que prevalecem maioritariamente.

No inicio coloca-se o tabuleiro no centro da mesa, e sobre o canto superior direito coloca-se o tabuleiro da expansão Port, que substituirá a região das viagens.

A ficha com a indicação de quantos cubos se colocam em jogo também é diferente, usando-se uma das da caixa da expansão.

Image Viktor Kobilke

Ao lado a zona das viagens de barco colocam-se os capitães devidamente separados em 3 montes: capitães de 1 moeda, capitães de 2 moedas, capitães de 3 moedas.

É ainda possível adicionar ao jogo as cartas de objetivo de vida (expansão Life Goals). No início do jogo, e depois de retirar cartas em função das expansões com que se está a jogar e o número de jogadores, dividem-se as restantes em objetivos dourados e prateados, em seguida distribuem-se aleatoriamente uma a cada jogador. No fim do jogo, os jogadores que cumprirem os seus objetivos de vida marcarão os pontos extra inscritos nas cartas. Não haverá penalizações no caso dos jogadores não conseguirem os seus objetivos de vida.

Como já referi, o jogo tem o mesmo desenvolvimento que o jogo base, a expansão Port apenas “afeta” duas ações do jogo base: as viagens e o mercado.

No caso do mercado as diferenças prendem-se com a adição de duas novas barracas, onde os jogadores poderão vender o cacau e o chá a troco de 7 pontos e 5 pontos + 1 moeda, respetivamente.

No caso das viagens as mudanças são bem mais radicais. Ao escolher a ação Viagem, o jogador tem 3 opções:

  1. Zarpar;
  2. Viajar em alto mar;
  3. Regressar/Atracar.

Antes de explicar em detalhe cada uma das opções de viagem, convém diferenciar o que é barco e marcador de barco. O barco é o tabuleiro em forma de barco que está junto à quinta do jogador e que serve de suporte para transportar as diferentes mercadorias durante a partida. O marcador de barco é uma pequena figura em madeira que se coloca no tabuleiro da expansão e que terá a função de ir marcando os itinerários dos jogadores ao longo da partida.

Image Alban Thomas

Quando um jogador escolhe zarpar tem de seguir as seguintes etapas:

  1. Comprar uma carta de capitão. As cartas de capitão custam de 1 a 3 moedas e a diferença é que os capitães menos valiosos custam mais cubos para fazer mover os marcadores de barco, enquanto os de 2 e 3 moedas são mais flexíveis com as cores necessárias para fazer avançar o marcador de barco e avançam mais casas por menos cubos.
  2. Em seguida os jogadores carregam o seu barco. Esse barco tem 3 espaços e neles podem-se colocar fichas de recursos (vacas, cavalos, charruas, carroças, papiros…), cubos de recursos, fichas de recursos (cacau, chá), baús de tesouro e pessoas. No entanto, o barco tem de levar sempre coisas diferentes, ou seja, não pode levar por exemplo duas ou três pessoas, nem cubos da mesma cor, nem fichas com o mesmo recurso, nem mais que um tesouro, ficha de cacau, ficha de chá, sacos de trigo… É possível não carregar o barco, embora pouco sensato!
  3. Depois do barco carregado, o jogador fará o seu marcador de barco viajar. A primeira casa é sempre gratuita, os movimentos seguintes custarão os cubos ou cubo que estiver inscrito na parte de baixo da carta do capitão comprada. O jogador poderá mover-se tantas vezes quantos os cubos que tiver para pagar as suas viagens. Sempre que passar numa casa com o símbolo da ampulheta tem de pagar 1 tempo.

Nas ilhas os jogadores podem fundar um templo, pagando o exigido e deixando ficar aí um dos seus familiares que se torna então num missionário. É ainda possível trazer fichas de cacau, de chá e baús de tesouro que estão espalhadas pelas diferentes ilhas, no entanto, é preciso ter em conta que o nosso barco só tem 3 espaços e tudo o que lá colocarmos terá de ser diferente do que já lá estiver!

A segunda ação possível é viajar. Basicamente esta ação só se aplica se um jogador já tiver zarpado em turnos anteriores, nesse caso só precisa de pagar os cubos indicados pelo capitão para continuar a sua viagem. Atenção que o primeiro movimento é sempre gratuito!

A terceira ação é a de regressar/atracar. Se o jogador desejar voltar a Village, terá de pagar 1 tempo e colocar assim o seu marcador de barco no porto (mesmo que esteja muito longe do porto só pagar 1 tempo). Depois de atracar, o dono do barco descarrega toda a mercadoria do seu barco junto à sua quinta e descarta a carta de capitão, que sai do jogo.

Image Alban Thomas

Os baús de tesouro nunca se viram antes de chegar à área de jogo do jogador (depois de descarregado). Quando se viram os baús mostram quantas moedas o jogador ganha. Em troca descarta a ficha de baú definitivamente.

O fim do jogo acontece quando o livro de honra fica cheio ou o cemitério dos comuns fica cheio ou os três espaços de cemitério em alto mar ficam ocupados. O procedimento de pontuação é igual ao jogo base acrescendo agora os pontos conquistados pelas cartas de objetivo de vida concretizadas.

Avaliação:

Village: Port é uma expansão que dá uma nova vida ao jogo base, que já por si é um excelente jogo. A qualidade do material mantém o nível elevado e as ilustrações mantêm a coerência gráfica com o jogo base e com a primeira expansão.

Port parece mais uma variante ao jogo base que propriamente uma expansão, no sentido em que as mudanças na jogabilidade não são radicais e a sua fluidez não sai minimamente beliscada. A verdade é que ninguém perderá a sensação que está a jogar Village se adicionar esta expansão ao jogo.

A ação viagem ganha agora uma nova dimensão, mais convidativa e recompensadora em relação à ação viagem do jogo base. As etapas desta nova ação são um pouco mais elaboradas mas em duas ou três rondas assimila-se facilmente.

As cartas de objetivo de vida são mais uma “preocupação” para os jogadores, que se têm de dividir em múltiplas tarefas durante toda a partida, sem nunca perde de vista os requisitos das suas cartas e juntar mais uns pontos ao score final.

Em suma, esta expansão é um add-on que faz muito sentido para melhorar o jogo base, pois dá-lhe mais profundidade e aumenta as possibilidades estratégicas do jogo mantendo-o num patamar acessível a todos os jogadores com algum conhecimento e gosto por jogos de tabuleiro.

Ligações:

Site da Pegasus Spiele AQUI

Ficha BGG → AQUI

Vídeo (open the box)  AQUI

Comprar:

Buecher AQUI

Amazon.de  AQUI

RiaCON 2015 já tem data!

2015/02/15
by

O 7º encontro nacional de jogos de tabuleiro em Aveiro já tem data marcada!

O RiaCON vai acontecer este ano a 9 e 10 de maio no Multiusos de Estarreja. Contamos com a visita de todos os amantes dos jogos de tabuleiro para um fim de semana repleto de jogos e diversão!

Mais novidade no site do RiaCON!

Até lá…

À espreita… Brew Crafters

2015/02/15

A editora Dice Hate Me Games lançou no mercado norte americano Brew Crafters.

Image Dice Hate Me Games

Brew Crafters é um jogo de Ben Rosset, ilustrado por Christopher Kirkman para 2 a 5 jogador com mais de 12 anos e com uma duração aproximada de 90 minutos.

Image Barry Miller

Brew Crafters é um jogo de gestão maduro onde os jogadores têm de colocar os seus trabalhadores a executarem as ações disponíveis nos diferentes espaços dos tabuleiros de jogo.

Em Brew Crafters tudo gira em torno da produção de cerveja. A crítica vai destacando a boa integração do tema no mecanismo global do jogo, com a ilustração a contribuir muito para essa osmose.

Image Dice Hate Me Games

As comparações que já se fizeram com Puerto Rico ou Agricola podem ser exageradas, e conduzirem-nos para expectativas futuramente frustrantes, porém Brew Crafters tem tudo para ser um bom jogo, com atributos para ganhar um espaço permanente nas ludotecas de jogadores regulares.

Seguir

Get every new post delivered to your Inbox.

Junte-se a 153 outros seguidores