Skip to content

Brügge

2013/06/03

Sint_bruge

Sinopse:

Brügge é basicamente um jogo de cartas onde o nosso objetivo é optimizar a sua utilização de forma a retirar do seu uso os maiores proveitos possíveis. Cada carta pode ter 6 ações distintas mas só uma delas pode ser usada. No fim do jogo ganha quem tiver mais pontos de vitória!

Como se joga:

No início do jogo baralham-se as 165 cartas de personagem e formam-se 5 montes com uma altura equivalente. Em seguida, e em função do número de jogadores, juntam-se 2, 3 ou 4 desses montes (respetivamente para um jogo a 2, 3 ou 4 jogadores) num monte único. Entretanto, com esse novo monte, formam-se 2 montes com uma altura equivalente. O/s monte/s que sobrar/em é/são colocado/s ao lado do tabuleiro.

Cada jogador recebe 2 selos (1 pequeno e 1 grande) da sua cor, 2 bonecos de madeira na sua cor, 5 bonecos de madeira pequenos (1 de cada cor: amarelo, castanho, azul, roxo e vermelho), 3 fichas de maiorias e o valor de 5 florins (1 moeda de 3 florins e 2 de 1 florim).

Antes de iniciar o jogo, cada jogador coloca um dos seus dois bonecos (grandes) na casa 5 da grelha de pontuação e o outro no edifício central do tabuleiro (junto à escala de desenvolvimento). Coloca também o seu selo mais pequeno numa das portas da cidade (círculo impresso no tabuleiro). Verifica se as suas três fichas de maiorias estão com a face cinza para cima, e se assim não for, colocam-nas nessa posição.

A partir daqui o jogo pode começar!

O jogo desenrola-se em 4 fases:

  • Fase 1 – Biscar cartas (5)
  • Fase 2 – Lançar dados
  • Fase 3 – Jogar cartas
  • Fase 4 – Verificar maiorias

Na fase 1, o jogador inicial, começa por biscar cartas até ter 5. As cartas podem ser biscadas dos 2 montes pela ordem que o jogador desejar. Depois de todos os jogadores terem realizado esta ação passa-se para a fase seguinte.

Na fase 2, o jogador inicial lança os dados e coloca-os nos espaços dedicados a eles impressos no tabuleiro por ordem crescente. Os dados com valores 5 e 6 definem as cores das ameaças que todos os jogadores terão de receber. Por exemplo num lançamento de dados em que saiam os dados 5 azul e 6 vermelho, todos os jogadores são obrigados a receber uma ficha (em forma de queijo) da ameaça azul e outra da ameaça vermelha.

Créditos da imagem Henk Rolleman

Quando um jogador atinge as três fichas da mesma cor tem imediatamente de realizar a/s ação/ões negativa/s da respetiva ameaça.

Em seguida somam-se os valores de todos os dados com valor 1 e 2 e o total corresponde ao que jogador terá de pagar para poder avançar um nível na escala de desenvolvimento. Por exemplo, num lançamento em que exista 1 dado de valor 1 e outro de valor 2, os jogadores terão de pagar 3 florins (1+2=3) para poder avançar na escala de desenvolvimento. Os jogadores podem optar por não avançar, mesmo tendo dinheiro para o fazer. Só é permitido avançar um nível por turno e, na eventualidade de não saírem dados com valor 1 e 2, os jogadores não podem avançar nesse turno.

Créditos da imagem Henk Rolleman

Segue-se a fase 3. Nesta fase os jogadores irão jogar 4 cartas das 5 que têm na mão, mas uma de cada vez por ordem de turno, isto é, depois do jogador inicial jogar a sua primeira carta, todos os outros jogadores, no sentido dos ponteiros do relógio, farão o mesmo, e só depois o jogador inicial poderá jogar a sua segunda carta e assim sucessivamente até que todos tenham jogado 4 cartas da mão.

Créditos da imagem de Henk Rolleman

Ao jogar uma carta o jogador passa a ter 6 opções de ação, mas só pode usar 1 delas:

  1. Receber 2 trabalhadores da cor da carta;
  2. Receber florins em função do número do dado com a mesma cor da carta jogada;
  3. Tirar uma ficha de ameaça da sua área de jogo para a reserva, da cor da carta jogada;
  4. Colocar uma ficha de canal em função da cor da carta jogada;
  5. Construir uma casa;
  6. Usar o poder da personagem da carta jogada.

Finalmente, na fase 4, os jogadores comparam os três domínios das suas fichas de maioria:

  • Mais canais;
  • Mais personagens;
  • Maior desenvolvimento;

Quem estiver em maioria absoluta em cada um dos três domínios referidos, pode virar a respetiva ficha para o seu lado ativo (colorido), a partir desse momento, o jogador nunca mais perderá os pontos por ativar essa ficha de maioria, mesmo que, posteriormente, venha a perder a maioria conquistada.

Créditos da imagem Henk Rolleman

O jogo termina depois de um dos montes de cartas ser dividido duas vezes, isto é, quando um dos montes se esgota é substituído pelo monte de reserva, depois disso, assim que um dos montes esgote novamente, todos terão direito a mais uma ronda e finalmente contam os pontos.

A pontuação final é composta pela soma dos pontos de:

  • Personagens jogadas na área de jogo de cada jogador;
  • Um ponto por cada casa jogada;
  • Personagens com o símbolo da coroa de louros;
  • Fichas de maiorias viradas com a face colorida para cima;
  • Canais intermédios construídos (máx. 3 pontos+ 3 pontos);
  • Fichas de estátua conquistadas pela construção total dos canais;
  • Escala de desenvolvimento.

Avaliação:

Brügge é um jogo enigmático, por um lado coloca-nos nas mãos uma enormidade de opções, por outro faz-nos sofrer com o dilema de termos de optar entre tanta coisa boa!

Os dados dão alguma aleatoriedade ao jogo mas a bem da verdade a sorte é facilmente mitigada por uma boa planificação a longo prazo, no entanto, essa capacidade só chega após várias partidas.

Como todos os jogos de Feld a mecânica de Brügge foi pensada para nos criar problemas, e as ameaças, que podem aparecer ao longo de toda a partida, são a evidência desse cariótipo Feldiano. A interação no jogo é subtil, não se espere andar à batatada numa partida de Brügge, no entanto, há várias cartas que podem afetar os adversários ou mesmo desviá-los do plano inicial. O segredo é flexíbilizar e nunca esquecer do essencial; e o essencial nem sempre é o mais apetecível (pragmatismo alemão!).

Em suma, Brügge não é o melhor produto do génio de Feld mas não lhe deixa cair os parentes em desonra, bem pelo contrário, é um jogo bastante agradável e que à medida que mais se joga mais se gosta. Quem gosta de jogos como Race for the Galaxy ou Glory to Rome vai gosta deste certamente.

Uma palavra ainda para mais uma fantástica ilustração de Michael Menzel e uma produção à altura do tradicional savoir faire da Hans im Glück!

Ligações:

Site da Hans Im Glück -> AQUI

Ficha BGG -> AQUI

Vídeo explicativo em inglês -> AQUI

Comprar:

Amazon.de -> AQUI

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: